Partilhar

Quais são os movimentos artísticos na poesia

Por Yuri Ferreira. Atualizado: 20 janeiro 2017
Quais são os movimentos artísticos na poesia
Imagem: sdasia.co

A poesia faz parte da literatura, uma das sete grandes artes. E como todas as grandes artes, a poesia não poderia deixar de ter os seus movimentos. Figuras de linguagem, estruturações poéticas, métrica e sentimentos podem ser características de um movimento poético e artístico e veremos nesse artigo de umComo quais são os movimentos artísticos na poesia.

Também lhe pode interessar: Qual a diferença entre poema e poesia

O início da poesia

Para falar dos movimentos poéticos, primeiramente devemos fazer uma análise histórica da construção da poesia.

É consenso entre os historiadores da arte de que a poesia surgiu antes mesmo da escrita, como maneira de transmitir histórias e morais de maneira musicalizada e de mais fácil memorização. Vemos os primeiros versos de poesia nos Vedas Indianos (1700 a.C), em Zoroastro (900 a.c) e na Odisseia de Homero (900 a.c), com temas históricos, grandes jornadas, chamadas epopeias. Com Homero, Catulo e Virgílio, temos um dos primeiros movimentos artísticos, chamado de lírica clássica ou ainda literatura clássica.

Quais são os movimentos artísticos na poesia - O início da poesia

Na idade média

Durante a Idade Média, a poesia foi retomada e começou a ter uma nova estrutura. O modelo feudal em que a Europa vivia tornou o sentimento de submissão e vassalagem muito comum entre os homens e dali surgiria o novo movimento poético: o trovadorismo.

Do século XII ao século XV diversos poetas da corte faziam poemas chamados de cantigas. As cantigas eram divididas em quatro tipos:

  • Cantigas de amor: cantiga onde um homem se declara apaixonado por uma mulher que era muito superior e intocável, com um sentimento de submissão e vassalagem
  • Cantigas de escárnio: cantiga onde se satiriza e ridiculariza uma pessoa de forma indiretamente, com várias trocadilhos e ambiguidades, sendo de sentido cômico
  • Cantigas de amigo: o eu-lírico mulher fala de sua relação de amizade com um homem, de uma forma muito similar à famosa "friendzone"
  • Cantigas de maldizer: críticas diretas a pessoas, com xingamentos e até palavras de baixo calão

Mas com a queda do teocentrismo e a ascensão do Antropocentrismo levaram a literatura a um movimento famoso de transição, o Humanismo. Ele é majoritariamente conhecido pelo teatro do dramaturgo português Gil Vicente. Ele buscava uma prospecção de igualdade, de satirismo e de independência da Igreja Católica, que perdia seu poder com a chegada do Renascimento.

Com a Renascença chegava o Classicismo, que tinha como pressuposto maior a busca pelo conhecimento, pois tinha embasamento em Platão, Sócrates e Aristóteles. Esses filósofos basearam o pensamento renascentista, que tinha como expoente desde matemáticos como Galileu Galilei até pintores como Michelangelo. Sob o aspecto poético, tínhamos como grande poeta o italiano Petrarca, inventor dos sonetos.

Na imagem, o quadro de Rafael "A Escola de Atenas", com Platão e Sócrates ao centro, reforçando a influência dos filósofos gregos no pensamento artístico Renascentista.

Quais são os movimentos artísticos na poesia - Na idade média

Barroco, neoclassicismo e romantismo

O Classicismo teve seu declínio nos de 1600, dando lugar ao barroco, um dos movimentos mais característicos da história. Ele tem como características, acima de tudo, a exuberância. A forma virtuosa, a linguagem complexa, o paradoxo (constante contradição) e a moralidade cristã, que se contrapunha aos ideais pagãos e gregos do Classicismo. Seu grande expoente brasileiro é o baiano Gregório de Matos.

Logo após, o neoclassicismo vem para parar esse exagero vindo do barroco com o bucolismo e a paz, a adoração à natureza e o conforto campestre. O neoclassicismo é constantemente chamado de Arcadismo no Brasil. Ele se refere a um pensamento muito adverso do barroco e busca trazer uma lógica de paz e adoração ao mundo, sem o encargo exagerado e tenebroso do barroco. Seu maior nome é Tomás Antonio Gonzaga, autor de Marília de Dirceu.

O movimento artístico subsequente é chamado de Romantismo. Ele busca acabar com essa adoração a natureza. A revolução industrial estada a todo vapor e o homem se voltava a cidade, com sentimentos mais angustiados e mais sombrios. O romantismo é caracterizado pelo seu subjetivismo, pela submissão, angústia, depressão e lirismo exacerbado, remontando a um barroco mais agressivo, urbano e pessoal. Seus expoentes na poesia do Brasil foram Gonçalves Dias e Castro Alves. No exterior temos o ilustre Lord Byron, o francês Balzac e o famosíssimo Stendhal.

No quadro abaixo, vemos "A retirada de Cristo" de Caravaggio, um quadro que demonstra a exuberância de detalhes do pensamento artístico barroco e todo o uso de contraste de chiaroscuro (luz e sombra).

Quais são os movimentos artísticos na poesia - Barroco, neoclassicismo e romantismo

A modernidade

Existem muitos movimentos subsequentes ao Romantismo. Podemos falar do simbolismo, que buscava uma percepção clara e totalmente subjetiva e simbólica da vida e das situações, realçado pelo francês Charles Baudelaire. Há também o Realismo, que buscava compreender o homem da sua maneira mais real, científica e positivista possível. Havia também o Naturalismo, que tinha como foco reduzir o homem a seres, como vemos no livro O Cortiço de Aluísio de Azevedo.

Houve no Brasil também o Parnasianismo, movimento que buscava tornar o poeta em um mágico aurives, buscando a perfeição e a complexidade linguística mais do que o sentimento. Regidos totalmente pela rima rica, pela versificação total, métrica complexa e grandeza do poema, os poetas parnasianos esqueciam, às vezes, do sentimento necessário para um poema. Seus grandes nomes são Olavo Bilac e Augusto dos Anjos.

No Brasil, o maior movimento poético depois do Romantismo é o Modernismo. O modernismo quebrava todas as cadeias que o parnasianismo pregava e acabou com a necessidade de métrica, rima, liricidade ou de figuras de linguagens. Era a palavra, ali, ela por si só, buscando transmitir o sentimento do poeta como ele bem queria demonstrar. Esse movimento foi embraçado por Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Oswald de Andrade. Ganharam muito reconhecimento na semana de 1922.

Mais recentemente, podemos falar dos dadaístas, que viam a arte sem necessidade de sentido e faziam coisas chamadas non-sense, representados pelo grande Tzara. Além desse movimento, existiam também os poetas surrealistas. O Surrealismo era caracterizado por imitar os sonhos e tentar desconstruir a realidade através do retinismo e das impressões plásticas. Os expoentes literários do surrealismo eram André Breton, da França e o brasileiro Murilo Mendes. Havia também o futurismo, caracterizado por realizar uma busca pela identidade do futuro, junto da segunda revolução industrial, com grandes nomes e como principal característica o uso de onomatopeias.

Além desses, há o concretismo, formado pela criação estética da palavra. Este ficou muito famoso no Brasil durante a década de cinquenta por ser da maior simplicidade e em certos momentos ser dependente de apenas uma palavra para demonstrar todo o sentimento que requer um poema. Seu grande nome dentro do Brasil é o de Augusto de Campos.

O quadro abaixo é "Sonho Causado Pelo Voo de uma Abelha ao Redor de Uma Romã um Segundo Antes de Acordar", de Salvador Dali, que demonstra a desconstrução da realidade através da imagem, um tema sempre tocado na poesia Surrealista.

Agora, na pós-modernidade, não existem grandes movimentos poéticos ou literários. Ao menos, eles são muito menos identificáveis e acabam por ser esquecidos.

Quais são os movimentos artísticos na poesia - A modernidade

Se pretende ler mais artigos parecidos a Quais são os movimentos artísticos na poesia, recomendamos que entre na nossa categoria de Educação e Formação universitária.

Escrever comentário sobre Quais são os movimentos artísticos na poesia

O que lhe pareceu o artigo?

Quais são os movimentos artísticos na poesia
Imagem: sdasia.co
1 de 5
Quais são os movimentos artísticos na poesia

Voltar ao topo da página