menu
Partilhar

Feminismo abolicionista: o que é e autoras

 
Por Juliana Ribeiro. 24 maio 2022
Feminismo abolicionista: o que é e autoras

O feminismo, como qualquer outra ideologia, ao longo dos anos experimentou diferentes fases, ondas e correntes lideradas por diferentes autoras, a tal ponto que, hoje, encontramos no próprio feminismo várias correntes ideológicas com um objetivo comum: abordar o papel da mulher, seus direitos e liberdades.

Feminismo radical, feminismo igualitário, ecofeminismo, feminismo liberal... Os tipos de feminismo são múltiplos e variados. No umCOMO queremos aprofundar mais sobre uma corrente em particular. Por isso, vamos explicar a você feminismo abolicionista: o que é e autoras.

Também lhe pode interessar: O que é misoginia

O que é o feminismo abolicionista e sua origem

O feminismo abolicionista, em sua origem, é definido como a corrente ideológica do feminismo que quer acabar com qualquer elemento estabelecido pelo patriarcado e que promova a difamação das mulheres, como a prostituição, a pornografia ou a maternidade de aluguel. Nesse sentido, o feminismo abolicionista luta contra a exploração comercial e sexual do corpo feminino.

Como qualquer corrente, o feminismo abolicionista evoluiu ao longo de sua jornada e foi forçado a acrescentar outros termos que devem ser suprimidos, como a abolição do gênero. Por meio do abolicionismo, as feministas buscam reformular posições patriarcais tradicionais, e é usado como ferramenta para analisar práticas sociais e culturais que violam os direitos e liberdades das mulheres.

Por meio desse movimento, as feministas se opõem a qualquer controle legal ou estatal da prostituição ou outras formas de exploração organizada do corpo feminino, ou seja, o próprio exercício da prostituição é descriminalizado, mas faz com que a responsabilidade recaia sobre qualquer comportamento que envolva essa prática, colocando o foco e culpa da demanda no cliente e na procura.

Origem do feminismo abolicionista

Falar de abolicionismo é falar do último terço do século 19, quando movimentos voltados para a erradicação da escravidão começaram a surgir em vários países. Esse tipo de ativismo foi representado por muitas mulheres, como Carolina Coronado, que presidiu a Sociedade Abolicionista das Damas na Espanha. Por meio dessa sociedade, o abolicionismo foi ganhando destaque entre as mulheres e foi erguido em defesa da escravidão das mulheres.

Graças à luta ativista, essa nova ordem liberal se espalhou por todos os países como uma onda feminista, tanto na Europa quanto na América. No entanto, a partir da década de 1970 até hoje, o feminismo abolicionista vem ganhando cada vez mais destaque entre as feministas, sendo hoje um pilar básico para a luta feminista. Tanto que muitas autoras e lideranças do movimento consideram que o feminismo deve ser 100% abolicionista.

Feminismo abolicionista: o que é e autoras - O que é o feminismo abolicionista e sua origem

O que o abolicionismo propõe

Embora o feminismo abolicionista tenha lutado inicialmente pela abolição da prostituição e da pornografia, duas ferramentas que violam os direitos das mulheres e pelas quais a violência é exercida sobre elas, ao longo dos anos o movimento incorporou novos pedidos de repressão, nascidos com o mundo de hoje, como barrigas de aluguel, que são uma forma de exploração sexual e reprodutiva das mulheres.

Abolição de gênero

O que significa ser abolicionista de gênero? Na atualidade, falar de abolição é também falar de abolicionismo de gênero, o que significa acabar com a ideologia das identidades, ou seja, deixar de dar valor diferencial a homens e mulheres para acabar com os papéis sexuais que dela decorrem, uma vez que representam um dos principais suportes do sistema patriarcal.

Por meio do abolicionismo pretende-se, então, romper com os estereótipos e libertar ambos os sexos dos padrões de gênero, visando que as relações sejam livres e iguais, sem distinção. Isso tem muito a ver com a masculinidade tóxica e o subsequente surgimento de novas masculinidades, por exemplo.

Direitos e liberdades iguais

O feminismo abolicionista, por meio de suas autoras, nos leva a criticar a estrutura social que nos foi imposta desde a pré-história e sua hierarquia, na qual os homens exercem a autoridade e as mulheres estão sujeitas a ela. E embora se entenda que o sexo é uma realidade biológica, a partir do abolicionismo critica-se que o gênero também seja, pois faz parte de uma construção social imposta a partir da realidade biológica ou do sexo.

Através das ideias de identidade de gênero, o patriarcado tem se agarrado ao seu poder e colocado obstáculos a uma igualdade que não deve ser condicionada por sexo ou gênero, mas deve ser baseada em direitos e liberdades iguais.

Feminismo abolicionista: o que é e autoras - O que o abolicionismo propõe

Autoras do feminismo abolicionista

Que tipo de sociedade estamos procurando? Quais são os verdadeiros objetivos do feminismo? A partir da corrente feminista abolicionista, muitas autoras têm refletido sobre essas e outras questões que nos fazem pensar sobre o papel da mulher na sociedade e como ela tem sido tratada ao longo dos anos.

Para o feminismo abolicionista, não se opor à prostituição, à violência ou à submissão patriarcal é o mesmo que permitir que esse horror continue a existir. Por esta razão, as ativistas feministas abolicionistas estão cada vez mais levantando suas vozes para ampliar as bases de um feminismo que, para alguns, fica aquém.

Angela Davis, Beth Richie e Gina Dent são algumas das autoras que refletem sobre abolição e feminismo, mas não são as únicas, pois o abolicionismo feminista está se tornando um slogan mais massivo. Essas três autoras, juntamente com Erica Meiners, falam no livro "Abolition. Feminism. Now" sobre como o feminismo está na raiz do abolicionismo como prática e como estratégia política, já que o feminismo abolicionista luta pela eliminação da violência de gênero, em seu sentido mais amplo.

Autoras feministas clássicas

Falar sobre abolição e feminismo é impossível sem se referir às vozes mais importantes do feminismo que, por meio de suas obras de referência, têm ajudado a construir os pilares básicos do feminismo atual. Algumas delas são:

  • Mary Wollstonecraft: nascida na Inglaterra no século 18, foi escritora e filósofa. Ela se destacou como uma das primeiras mulheres que podiam viver de forma independente por seu próprio mérito. Sua obra "Reivindicação dos direitos das mulheres" é um texto em que ela levanta as diferenças de gênero não por sua realidade biológica, mas por educação e construção social, que é a base dos pilares do abolicionismo de gênero.
  • Olympe de Gouges: a escritora, planfetista e filósofa política francesa lutou ao lado das abolicionistas feministas pela erradicação de leis contrárias à moralidade, como a escravidão. Ela foi decapitada após publicar sua obra "Declaração dos direitos da mulher e cidadã".
  • Virginia Wolf: ela é uma das figuras inescapáveis ​​do feminismo. Seu ensaio "A room of one's own" foi considerado um dos mais importantes manifestos do feminismo, pois fala sobre como as mulheres participam de uma sociedade projetada por e para homens. Wolf reflete sobre a posição das mulheres e o que elas precisam para competir de igual para igual.
  • Celia Amorós: a espanhola é uma das vozes contemporâneas do feminismo. A autora conceituou os problemas do feminismo atual em obras como "Por uma crítica da razão patriarcal".
  • María Marcela Lagarde y de los Ríos: nascida no México, Lagarde faz parte da Rede de Pesquisadoras pela Vida e Liberdade das Mulheres. Através de suas obras, ela estudou a relação das mulheres com o poder, sexualidade, maternidade ou cultura, entre outros temas. Vale destacar sua obra "Os cativeiros das mulheres: mães-esposas, freiras, putas, prisioneiras e loucas".

Esperamos que você tenha amado este artigo sobre o feminismo abolicionista. Se quiser saber mais sobre outras correntes feministas, veja nosso post Tipos de feminismo.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Feminismo abolicionista: o que é e autoras, recomendamos que entre na nossa categoria de Cultura e Sociedade.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Feminismo abolicionista: o que é e autoras
1 de 3
Feminismo abolicionista: o que é e autoras

Voltar ao topo da página