menu
Partilhar

Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?

 
Por Juliana Ribeiro. 23 janeiro 2024
Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?

Durante o calor sufocante que costuma ocorrer no verão, quando chega a chuva da estação, a sensação de satisfação é comum na maioria das pessoas. Se este fenômeno meteorológico ocorre dias ou semanas após uma seca, com a vegetação necessitando de hidratação, a chuva produz diferentes cheiros e aromas de terra molhada e umidade capazes de deliciar qualquer olfato.

O cheiro de chuva que você sente durante a chuva é real. Este aroma característico tem explicação científica e um nome específico: petricor. Porém, o aroma é composto por uma combinação de diferentes substâncias que vão além do próprio petricor. Para descobrir tudo sobre petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?, no umCOMO recomendamos que você continue lendo este artigo.

Também lhe pode interessar: De onde vem a água da chuva

Qual é o cheiro de chuva ou petricor

O cheiro de chuva ou de terra molhada é um efeito produzido pela combinação de duas substâncias principais: petricor e geosmina. Ambos são componentes naturais encontrados no solo e nas plantas. Ao entrarem em contato com a chuva, geram uma série de reações das quais é criado um aroma incomparável.

Quanto ao petricor, é um óleo expelido por certas plantas como parte de processos metabólicos naturais. É uma substância liberada pelas folhas verdes e que fica retida no solo e nas pedras ao redor. Quando chega a chuva, o petricor é liberado por um processo muito curioso: ele cria pequenas bolhas dentro da gota d'água, permitindo que ela suba à superfície, onde se rompe e passa para o ar em forma de efervescência de odores.

O termo petricor foi adotado em uma publicação na revista científica Nature em 1965[1], e foi utilizado pelos geólogos australianos R.G. Thomas e Isabel Joy Bear. No entanto, esse fascinante processo pelo qual ele é liberado no ar só foi descoberto em 2015, quando alguns cientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) conseguiram usar câmeras de alta velocidade para mostrar como o cheiro era introduzido no ar.

Se quiser embalar a leitura deste artigo com uma música apropriada, confira Petricor que deixamos aqui abaixo.

De onde vem o cheiro da chuva

Para entender de onde vem o cheiro da chuva, é importante destacar que, em combinação com o petricor, entra em ação a geosmina. É uma molécula produzida por uma bactéria chamada Streptomyces coelicolor, junto com outras cianobactérias encontradas no solo e que só são perceptíveis quando o solo está umedecido.

Assim, quando chega a chuva e caem gotas d'água, a geosmina se mistura ao ar e ao petricor, criando esse cheiro característico. Mas a geosmina e o petricor não são as únicas substâncias, pois ambas podem ser misturadas com uma outra.

Quando há uma tempestade, partículas carregadas aparecem no ar. Esses tipos de partículas podem alterar o ozônio atmosférico, produzindo um cheiro de “queimado”. A combinação deste aroma com o do petricor e da geosmina cria uma sensação que geralemente é reconhecida como “cheiro de tempestade” e que é tão característica de muitas noites de verão.

Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva? - De onde vem o cheiro da chuva

Por que gostamos do cheiro da chuva

O mais curioso desse aroma não é que a chuva interfira em certas substâncias e produza determinado cheiro, mas sim que o aroma é muito agradável e até gostoso para o ser humano. Por que é tão satisfatório? De forma mais abrangente, a explicação é encontrada na evolução.

E os diferentes cheiros que você percebe têm a capacidade de ativar um tipo de conexão neural no cérebro tão rapidamente quanto as emoções, por exemplo. O olfato está diretamente ligado à amígdala e ao sistema límbico, cujas áreas do cérebro são responsáveis ​​pelo desenvolvimento e gerenciamento de diferentes estados emocionais. Portanto, é possível que o reconhecimento de alguns perfumes ative áreas do cérebro com estruturas antigas.

É relevante lembrar que, na antiguidade, os ancestrais dos seres humanos conseguiram estabelecer uma relação positiva com o cheiro da chuva, pois era um sinal de que a estação seca estava prestes a terminar e as chuvas estavam chegando. Portanto, o processo de amadurecimento das lavouras estava cada vez mais próximo. Desta forma, o cheiro da chuva enraizou-se naquele sentimento do passado, sendo transmitido de geração em geração e chegando aos dias de hoje, sendo um sentimento forte e satisfatório.

Este cheiro também é especial para o mundo animal, pois, por exemplo, para muitos peixes, a presença do petricor na água é um símbolo do fim do verão, início do outono, da estação das chuvas e, com isso, a hora certa de botar ovos.

Agora que você sabe mais sobre petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?, também pode se interessar por este artigo sobre O que fazer em um dia de chuva.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?, recomendamos que entre na nossa categoria de Formação.

Referências
  1. BEAR, I., THOMAS, R. Petricor e crescimento de plantas. Natureza 207, 1415–1416 (1965). Disponível em: https://www.nature.com/articles/2071415a0

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?
1 de 2
Petricor: por que gostamos do cheiro de chuva?

Voltar ao topo da página