Partilhar

Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características

 
Por Redação umCOMO. 19 março 2020
Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características

Quando surge um novo vírus que ameaça por em risco a saúde da sociedade, escutamos certas palavras que sempre se repetem nos discursos dos profissionais da saúde. Pandemia, epidemia e endemia são três dessas palavras, termos médicos que, devido à falta de informação, confundimos ou não entendemos.

Para que você fique em dia com as notícias e saiba exatamente do que falam os especialistas quando tratam desses importantes temas, nós do umCOMO contamos tudo o que você deve saber sobre a pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características.

Também lhe pode interessar: Características e funções dos rins

O que é epidemia

Falamos de epidemia ou surto epidêmico quando surge uma doença que afeta diretamente um grupo de pessoas de uma determinada área. Em geral, o termo epidemia é utilizado quando o número de indivíduos afetados pela doença em questão supera a estimativa que se tinha inicialmente.

Embora normalmente falemos em epidemia quando os surtos são infecciosos, existe a possibilidade de não seja assim. Ao se tratar de, por exemplo, uma infecção alimentar em uma região determinada, chamamos por epidemia, apesar de não ser uma infecção contagiosa.

Para prevenir e tratar uma epidemia é necessário isolar as pessoas contagiadas durante um certo período de tempo e, se possível, vacinar aqueles que estão saudáveis para evitar o contágio. Em relação às pessoas infectadas, é necessário fazer um estudo exaustivo para descobrir o tratamento adequado e prestar atenção à evolução do quadro do paciente doente.

O que significa endemia

Falamos em endemia quando uma doença (na maior parte dos casos infecciosa) é característica de um país ou região específica. Essas doenças recorrentes em certas épocas do ano costumam ser causadas por problemas da região.

Essas enfermidades são de alta incidência em áreas ou grupos específicos sem sair de suas regiões, de aparição constante e por tempo prolongado, produto de agentes infecciosos nocivos à saúde de determinadas áreas. O surgimento das doenças endêmicas é consequência de:

  • Fatores externos: como as mudanças climáticas, baixo qualidade de vida da população, falta de bons serviços públicos, prevenção deficiente, etc.
  • Fatores do mesmo agente infeccioso: como mutações devido ao fato de que os vírus, por exemplo, vão ficando resistentes ao remédios existentes, sua virulência, etc.

Entre as doenças endêmicas em destaque estão a malária, na América, Sudeste Asiático e África; e a dengue, que está presente em várias partes da América Latina (entre muitas outras). Para mais informações sobre essa doença, dê uma olha no artigo sobre Quais são os sintomas da dengue.

O que é pandemia: significado

A pandemia é a propagação de uma doença entre dois ou mais países e, no pior dos casos, a nível mundial, algo que ocorre quando não há vacinas eficientes para combatê-la. As pandemias mais comuns são as novas formas de gripe, isto é, o surgimento de cepas de um vírus já conhecido que se propaga pelo mundo porque as pessoas não possuem imunidade contra o novo patógeno.

Uma das pandemias confirmadas mais relevantes da história foi causada pelo vírus Ebola (EVE) em 2014. Essa doença, com sintomas iniciais muito parecidos aos de uma gripe (dor de cabeça, febre, dor de garganta, cansaço, dor muscular), causou quase 12 000 mortes em dois anos. Embora de fato o vírus tenha sido contido graças à criação de uma vacina, ele segue possuindo uma letalidade de 90% se não for tratado de forma imediata. Em nosso artigo Como surgiu o vírus Ebola falamos em mais detalhes sobre essa doença.

Em relação a casos recentes, há muitos que se perguntam se o coronavírus (COVID-19), originado em Wuhan, na China, é uma pandemia. A resposta é sim, o coronavírus é uma pandemia.

Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características - O que é pandemia: significado

Diferença entre pandemia, epidemia e endemia

Como vimos, a diferença entre pandemia, epidemia e endemia pode confundir . Por isso, destacamos as diferenças que são mais relevantes:

Diferenças geográficas

  • A epidemia abrange um grande número de indivíduos da população total de um país sem sair de suas fronteiras. Essas doenças são conhecidas e recorrentes, e sua propagação depende das condições sanitárias do país, das campanhas de prevenççao, da rápida ação do governo e de políticas públicas de saúde, etc.
  • A endemia, por sua vez, é uma doença própria de uma região que surge de tempos em tempos em áreas específicas e que caso se espalhe por todo o país, torna-se uma epidemia.
  • A pandemia ocorre quando uma determinada doença é transmitida fora das fronteiras do país onde surgiu pela primeira vez. Nos casos mais graves, a doença pode chegar a se propagar por todo o mundo. Falamos de pandemia quando nos referimos a uma doença desconhecida que se propagou e para a qual não há medicação para combatê-la em curto prazo.

Diferenças quanto à população

  • As epidemias podem acometer uma grande quantidade de pessoas, dependendo da extensão geográfica do país.
  • As endemias, por sua vez, contagiam apenas pessoas de regiões menores, sendo que seu alcance e propagação é notadamente menor que o das epidemias.
  • As pandemias podem afetar muito mais gente, já que atingem indivíduos de diferentes países e regiões do mundo.

Diferenças quanto ao tratamento

  • Se as epidemias surgem em um país geralmente é porque os medicamentos deixaram de ser eficazes, o que ocorre quando o causador da doença se torna resistente à ação deles. Também pode ser que a nova população não esteja vacinada ou não tenha defesas contra essas doenças.
  • As doenças endêmicas, por aparecerem com certa regularidade em regiões determinadas, podem ser tratadas com menos complicações, já que seus habitantes estão preparados para que elas não sejam transmitidas com tanta facilidade.
  • As pandemias, no início, não têm cura, porque são doenças novas e desconhecidas que podem se propagar com uma rapidez notória. É possível encontrar um tratamento adequado através do estudo intensivo dos pacientes afetados.

Diferenças quanto à gestão governamental

  • As epidemias requerem uma notável atenção do governo e da iniciativa privada do país em crise para combatê-la. Na maioria dos casos, as epidemias também requerem ajuda internacional dos países vizinhos para evitar a propagação da doença para os países fronteiriços ou próximos.
  • As doenças endêmicas geralmente são tratadas internamente pelas autoridades locais, já que raramente podem se converter em epidemias que afetem todo um país.
  • As pandemias requerem a atenção do país portador para evitar que a doença se espalhe rapidamente para outras regiões do mundo. Contudo, também é necessário colaboração internacional dos países vizinhos que controlam as fronteiras comuns e das grandes potências mundiais para criar vacinas e medicamentos que combatam essa doença e previnam o contágio do resto da população mundial.

Leia também: Porque se se chama quarentena se são 14 dias?

Se pretende ler mais artigos parecidos a Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características, recomendamos que entre na nossa categoria de Formação.

Escrever comentário sobre Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características

O que lhe pareceu o artigo?

Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características
1 de 2
Pandemia, epidemia e endemia: diferenças e características

Voltar ao topo da página