menu
Partilhar

Mitologia maia: deuses

 
Por Juliana Ribeiro. 11 março 2022
Mitologia maia: deuses

A mitologia maia é uma das mais misteriosas, tanto por sua origem quanto pelo significado de seus rituais, baseados na oferta de diversos sacrifícios às suas divindades. A origem dos maias remonta a 2.500 a.C. nas Sierras Cuchumatanes, localizadas na Guatemala. Lá eles evoluíram até conseguir estruturar uma sociedade e expandir até chegar ao México.

Além disso, basearam seu desenvolvimento em uma crença politeísta na qual foram estabelecidas figuras de diferentes deuses. Através deles, os maias puderam explicar a criação do cosmos, vida, morte e o que vai além, criação, destruição ou fenômenos meteorológicos e equilíbrio natural. No umCOMO queremos que você conheça um pouco mais sobre a cultura maia e descubra a mitologia maia e seus deuses.

Também lhe pode interessar: Os principais deuses nórdicos

Hunab Ku: Pai dos Deuses

Qual é o deus maia mais importante? A divindade mais relevante para os maias é Hunab Ku (também conhecido como Hunab), que é considerado o pai de todos os deuses.

Através de seu próprio nome, cujo significado é "um só deus", os maias deram a essa divindade o primeiro lugar no mundo dos deuses, a mais alta importância e relevância. Este é o único deus que tem vida para eles e através dele vem não só o resto das divindades, mas também a construção de tudo ao seu redor. Portanto, representa tudo e nada.

Hunab Ku é o deus maia criador do mundo, aquele que desenhou os céus e que é representado pelo Sol. Os maias o consideravam o centro do universo. De acordo com a mitologia maia, acredita-se que Hunab Ku criou o mundo em três vezes. Na primeira vez que o deus criou o mundo, ele o habitou com sábios, na segunda vez incluiu os Dzolob, uma raça malévola e sombria e, finalmente, criou o mundo e a vida, o lugar onde nasceriam os maias.

Mitologia maia: deuses - Hunab Ku: Pai dos Deuses

Itzamná: Deus do Céu

Itzanmá, também conhecido como Itzam Na ou Zamná, é uma das divindades mais multifacetadas da mitologia maia. Ele é o soberano do céu, o verdadeiro mestre do dia e da noite. Embora Hunab Ku fosse considerado o pai de todos os deuses, para os maias da península de Yucatán, Zamná era o verdadeiro criador de tudo, razão pela qual sempre foi considerado um dos principais deuses de sua mitologia.

Essa divindade pode ser vista representada como um dragão alado com duas cabeças, que derrama água do céu sobre a terra. Embora ele também possa ser visto como uma figura de pássaro com características de cobra ou, mesmo em sua forma humanoide, como um velho com olhos e nariz grandes, maçãs do rosto afundadas, barba e sem dentes.

Mas isso não é tudo, ele também é considerado o deus da sabedoria pelos seguintes poderes e criações atribuídos a ele:

  • A proteção da ciência em todos os seus ramos, especialmente a astrologia, uma das áreas, junto com a escrita, em que os maias se destacaram.
  • A invenção da escrita e do calendário maia.
  • A criação e o cuidado da medicina e da agricultura, pois, além disso, Zamná simboliza água e energia.
  • O equilíbrio entre a vida e a morte.
  • A criação do caos para que novas e importantes criações pudessem existir.
Mitologia maia: deuses - Itzamná: Deus do Céu

Chaac: Deus do relâmpago e da chuva

Chaac, também escrito como Chac, é a divindade da chuva na mitologia maia. É um dos deuses mais populares nesta cultura, pois foi um dos mais elogiados no panteão maia. Através da chuva proporciona abundância e prosperidade, bem como fertilidade.

Os maias acreditavam que quando chovia a divindade descia à Terra para visitar os maias e fornecer-lhes colheitas abundantes. Por esta razão, em áreas secas como Yucatán, é onde este deus era mais venerado. Da mesma forma, muitos maias se relacionavam com Chaac como referência e símbolo dos quatro pontos cardeais.

Sua representação sempre foi diversa. Às vezes com feições femininas, outras com feições masculinas, mas sempre com um ponto em comum: um aspecto reptiliano.

Mitologia maia: deuses - Chaac: Deus do relâmpago e da chuva

Ixchel: Deusa do amor

Como em qualquer crença politeísta que se preze, a deusa do amor não pode faltar. A deusa maia do amor é Ixchel, esposa de Itzamná, deus da sabedoria. Se o marido é representado através do céu e do sol, ela é a deusa da lua, da fertilidade, das gestações e nascimentos, mas também está associada à vegetação, ao trabalho manual e à medicina.

É a divindade feminina mais importante para os maias e, portanto, está entre os principais deuses dessa cultura. Enquanto Itzamná era visto durante as horas de sol, Ixchel só era vista à noite, quando a lua se levantava.

Mas além do amor, Ixchel também está relacionada à água em sua forma mais destrutiva, como enchentes e outros desastres naturais causados ​​ou relacionados a esse elemento.

A representação da deusa da lua foi feita através de uma velha com símbolos relacionados à morte (ossos cruzados na saia, cobra retorcida na cabeça...) e com água como um jarro que é derramado sobre a terra.

Mitologia maia: deuses - Ixchel: Deusa do amor

Kauil: Deus do fogo

Kauil, deus do fogo, é descrito pelos maias como o pai e a mãe dos humanos. Para sua cultura, o fogo é um elemento básico com um papel transcendental. Esta civilização acreditava que aquele que era capaz de dominar o fogo, era capaz de controlar sua violência interior.

Existem inúmeros rituais dedicados a este deus que ainda hoje são realizados através de acampamentos e fogueiras, pois a crença diz que, após interagir com eles, sai-se renovado: o mau é queimado e energia positiva é gerada para receber todo o bem.

O deus maia do fogo é representado como uma figura ambígua, com nariz comprido e boca de serpente.

Mitologia maia: deuses - Kauil: Deus do fogo

Yum Kaax: Deus do milho

Yum Kaax, também conhecido por nomes como Itzam Na Kuil, Kauil, Ah Nun ou Ah Mun, é o deus maia do milho. Seu nome principal significa "senhor das florestas" e ele é considerado a principal divindade da agricultura. Ele é um deus benevolente e os maias foram proibidos de se referir à morte na frente dele.

É o deus mais vital e fundamental na mitologia maia, que baseava sua dieta na espiga de milho. Este deus é representado como um jovem forte, bonito e sempre com uma espiga de milho na cabeça, além de um vaso nas mãos com três espigas de milho.

Mitologia maia: deuses - Yum Kaax: Deus do milho

Ek Chuah: Deus do cacau

Nesta lista dos deuses maias mais importantes, Ek Chuah, o deus maia do cacau, não poderia faltar. Essa divindade é muito relevante e popular entre os vendedores ambulantes, pois o veneravam dia após dia para que suas vendas fossem ótimas e bem-sucedidas.

Além disso, Ek Chuah é uma divindade maia que possui duas habilidades básicas:

  • Promover e favorecer o plantio e desenvolvimento do cacau na terra.
  • Promover conflitos, pois é considerado o patrono da guerra.
Mitologia maia: deuses - Ek Chuah: Deus do cacau

Buluc Chabtan: deus da Guerra

Buluc Chabtan não é apenas o deus maia da guerra, mas também está associado à destruição, sacrifício humano e morte súbita e violenta.

É uma divindade também conhecida sob o nome de Achuykaak e intimamente relacionada ao deus da morte Yum Cimil. Para representá-lo, os maias usavam uma linha de pontos pretos sobre os olhos e bochechas, como uma máscara.

Mitologia maia: deuses - Buluc Chabtan: deus da Guerra

Kinich-Ahau: Deus do sol

Kinich-Ahau é uma das divindades maias que mais gera debate, pois acredita-se que ele seja fruto de dois deuses diferentes, mas nunca ficou claro de qual divindade ele realmente vem, então cada região que o cultua pode discordar de sua origem.

Para alguns, o considerado deus maia do sol vem de Itzamná. Para outros vem de Kinich Kakmó. Seja como for, e longe do dilema de sua origem, Kinich-Ahau (também escrito como Kinich Ajaw ou Ahau Kin), além de ser o deus maia do sol, está relacionado à vida, prosperidade e fertilidade da terra, bem como com a música.

Kinich-Ahau é geralmente retratado como um homem velho, com olhos quadrados, um tanto vesgos, dentes incisivos desgastados e também segurando uma flor de quatro pétalas.

Mitologia maia: deuses - Kinich-Ahau: Deus do sol

Yum Kimil: Deus da morte

Qual é o nome do deus do submundo maia? Yum Kimil, também conhecido como Yum Cimil ou Kizin, é o deus maia da morte. É o soberano do submundo e do inferno, porque nele reside. Para os maias, é uma divindade malévola, embora sua missão seja dar abrigo aos mortos, exceto aqueles escolhidos pela deusa Xtabai, sua esposa.

Segundo a mitologia maia, o deus da morte rondava as casas dos doentes para caçar suas novas vítimas e poder levá-las consigo para o inferno. Então, para afugentá-lo, os maias acreditavam que a melhor opção era gritar o mais alto possível para espantá-lo e libertar os doentes da morte.

Para os Yucatecos, Kizin é uma divindade desencarnada, o patrono da morte, e é por isso que ele geralmente é representado com um crânio como cabeça e costelas expostas. Da mesma forma, serviu de inspiração para ilustrações atuais que representam a morte, pois está relacionada ao esqueleto.

Gostou de conhecer os deuses da mitologia maia? Talvez você tenha interesse em conhecer os deuses mais importantes de outras culturas, se esse for o seu caso, recomendamos que você leia nossos posts sobre Quais são os principais deuses egípcios e Quais são os principais deuses gregos.

Mitologia maia: deuses - Yum Kimil: Deus da morte

Se pretende ler mais artigos parecidos a Mitologia maia: deuses, recomendamos que entre na nossa categoria de Cultura e Sociedade.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Mitologia maia: deuses
1 de 11
Mitologia maia: deuses

Voltar ao topo da página